10 de setembro de 2017 às 00:00
Ninguém te amou como eu te amei
Ninguém te amou como eu te amei
Ninguém te quis do jeito terno que eu te quis
Ninguém tão antigo e tão moderno
Ninguém te fez tão calma e tão feliz
Ninguém te deu tamanha paz
Ninguém jamais te olhou do jeito que eu olhei
Ninguém tão amigo e tão capaz
De guardar os segredos que eu guardei
Eu sinto que ainda sentes na saudade
Certo arrependimento pela falta de coragem
Eram tantas as barreiras por vencer
Que o medo derrotou tua esperança
Me afastaste dos teus beijos, me apagaste da lembrança
Mas, sei, ninguém te amou como eu te amei
Segues arrependida, pela vida
E vives a metade de um amor
Que um dia foi só teu
© CIA DO AR. AÇÕES EM CULTURA 2017  |   DESENVOLVIDO POR CRIWEB  |   PROGRAMADOR LED LEMOS  |   POLÍTICA DE PRIVACIDADE