30 de dezembro de 2017 às 00:00
Um poema de Natal

Natal pagão
Bela contradição
Assim se move o tempo
Grande glutão
Devorador de sentidos
Natal de luzes
Num breu desabrido de significados
Entre cruzes e obuses
O garoto nasceu
Para ser crucificado
Morreu, mas, ressuscitado
Vive risonho e resignado
Com sua ressignificação:
Natal pagão
Num mundo eminentemente laico e judaico, de cabo a rabo
A vitrine de ilusão
O objeto sacralizado
O mercado
Natal pagão
Papai Noel em ação
Esconde sob a árvore o pequeno homenageado
O menino de amor iluminado
Frágil como a ideia do perdão
Natal pagão

© CIA DO AR. AÇÕES EM CULTURA 2018  |   DESENVOLVIDO POR CRIWEB  |   PROGRAMADOR LED LEMOS  |   POLÍTICA DE PRIVACIDADE