01 de fevereiro de 2018 às 00:00
Garatujas

Viver é quase nada saber
Acerca do que se vive
Um mundo íntimo, ancestral, milenar,
    [que nos iguala à idade do Universo,
Move-se em silêncio em nosso interior
Como que por atrás da mente,
    [subjacente à sua pueril consciência
Enquanto vamos a desenhar ao quotidiano
Gestos rudes, qual garatujas
Que mais expressam nosso desconhecimento
    [acerca de tudo de que somos feitos
Do que exprimem essa grandeza oculta,
    [guardada em véu espesso
Sob a aparência das coisas

Movemo-nos, assim,
    [por automatismos diversos e sucessivos,
Em uma cegueira de obscura opacidade
    [quanto à nossa essência,
A essência mesma de nosso destino,
    [que vem a ser a essência mesma do ser que somos
E que não o sabemos
E que mal tocamos, sequer intuímos
(Desconfiamos, no máximo)
Imersos na ilusão de nós mesmos
Ilusão que elide, elisão que ilude

Viver seria desvelar-se
Saber-se
Conhecer a si
O que a vida, teoria do caos,
    [propõe-nos se faça por intermédio do outro
Que nos chega, incessante, a todo momento
O outro, sombra e espelho
    [de nossa luminosa presença jamais de todo alcançada
Presença que continuamente nos foge a nós,
    [de nós evade, ao galope vertiginoso dos fatos,
Potros chucros a escoicear os currais da realidade
    [onde vamos confinados

Imaginamos a liberdade colocada no mundo,
    [na ação, na vontade, na escolha, nos desejos...
No entanto, sabemo-nos, de algum modo,
    [atados às supercordas de nós mesmos
Ao que somos sem o sabermos
    [e o que jamais tocamos plenamente
Por nossos gestos triviais, mundanos
(Senão muito raramente, num breve vislumbre)

Vive-se do que não se sabe
Tateamos às cegas à luz dos dias
E esperamos poder realizar isto ou aquilo
    [que nos ajude a sobreviver,
Seguir com uma vida que não se explica de todo
Não obstante repleta de sentido
Um sentido que em nós se oculta
    [como a pérola ferida ao interior da ostra
Um sentido que igualmente nos guía
    [e confronta a ilusão que nos dirige os passos
Construímos significados para nossas vidas
    [à guisa de contornar um sentimento de incompletude
Que nos transborda, mais que invade

O mundo permanece, então,
    [como um palco vazio,
Teatro de operações de uma guerra
    [de pequenos gestos e pequenos movimentos
(Não raro, violentos, brutais, porém, sutis e algo indiferentes)
Que buscam, inadequados, a nossa grandeza interior,
    [o nosso próprio e único sentido,
A singularidade de um destino que se perde pelas ruas,
Um ser que não se acha
Sob o signo do imponderável

© CIA DO AR. AÇÕES EM CULTURA 2018  |   DESENVOLVIDO POR CRIWEB  |   PROGRAMADOR LED LEMOS  |   POLÍTICA DE PRIVACIDADE