03 de fevereiro de 2018 às 00:00
Víboras bondosas

Minhas pobres palavras,
Súplicas nervosas,
São, em essência, ansiosas frequências
A vibrar, como víboras bondosas,
Na direção de teu silêncio

Contemplam o infinito
Tal e como contemplavas o céu e a lua
Nuas, vestem-se de luminescências
Vertem estrelas para a alma tua

Onde quer que estejas,
Recebas em ondas de afeto
Todo o meu amor, em pensamento
De que és o objeto iluminado
E que minhas pobres palavras
Toquem o véu do teu sentimento
Pois que estamos, para sempre, interligados

(Aliás, como sempre estivemos)

© CIA DO AR. AÇÕES EM CULTURA 2018  |   DESENVOLVIDO POR CRIWEB  |   PROGRAMADOR LED LEMOS  |   POLÍTICA DE PRIVACIDADE