10 de fevereiro de 2018 às 00:00
Pelas ruas

 


Penso lhe ver pelas ruas...
Pouco à frente de mim
As pernas nuas
Num short de brim
O corpo delgado

Vai no seu passo apressado
A camisa de malha
Avisto as sandálias
A bolsa de couro a tiracolo

Me pego feliz por momentos
Quase que ao seu lado
Seus cabelos ao vento
A reconciliar presente e passado

E se você se virar e disser Olá!
Outro dia te vi
Parecia chorar
Por que chorar?
Pra que chorar?
Melhor sorrir

Mas, não
O vulto segue apressado,
Turbilhonado, na multidão
Quanta urgência!
Tanta urgência...
Sua ânsia de viver
Por oposto à minha ânsia de sentir
Tanta ausência!
Quanta ausência...

Pra que correr?
Correr pra quê?
A vida é tão breve...
Tão frágil, tão leve...
Pra que correr?
Correr pra quê?
'Te avisei que a cidade era um vão'
Em vão, em vão...

Vou por aí, pelas ruas
A alma nua na solidão
De olho na lua
Na ilusão de lhe ver surgir...

© CIA DO AR. AÇÕES EM CULTURA 2018  |   DESENVOLVIDO POR CRIWEB  |   PROGRAMADOR LED LEMOS  |   POLÍTICA DE PRIVACIDADE