Peste
nado para fora do teu caos
tu não o crês
é um nado de nada, mínimo
um sopro ínfimo na lufada
como a razão que nasce
tenra e frágil em face da terra arrasada
meu nome é recomeço... Ver mais
0
A afasia do outro
O outro (sendo o outro o eu do lado de lá do espelho), neste início de século, via de regra dispensa interesse por relacionamentos aprofundados ou de construção meticulosa. Ler, por exem... Ver mais
0
Que relação haveria entre a cabeça e a bolsa de uma mulher?...
0
Sozinhos


Estamos juntos nesta vida?
Casados, unidos, ligados
A braços com nossos destinos
É certo que vamos atados
Tal qual o homem ao menino
Tal e qual a corda ... Ver mais

0
O ruminante exercício
Escrevo para saber porque escrevo e escrevo já há tanto tempo, sem qualquer justificativa plausível, senão um chamado interior - longínquo, profundo - que creio mesmo, e cada vez ma... Ver mais
0
O diabo é um dos que mais rezam em voz alta...
0
Transbordar
Quero aprender a amar
E dar dar dar
Dar sem medida
Dar sem pedir nada em troca
Dar sem resposta
Dar dar dar
Até cair de costa
E ter o ar por rede
Dar sem limite
Sem pare... Ver mais
0
Palhaçadas, Tom & Theo e... Beckett?!
Revi, no final de agosto, a peça "Palhaçadas", do catarinense João Siqueira, em montagem de Julio Cesar Cavalcanti, vinte e oito anos depois de ter assistido ... Ver mais
0
A violência é sempre uma estrada de mão dupla entre desfiladeiros.
0
Desrumo
tô exangüe no desvio
tô exausto do desrumo
tô pregado tô vazio
tô passado tô sem prumo
tô sem meta tô sem seta
tô roubado tô sem jeito
tô vendido tô danado
tô no toco... Ver mais
0
Ao fim do romance
Cada qual tem sua própria demanda de compreensão para dar conta das circunstâncias de sua vida, uns resolvem-se com menos, outros com mais. Alguns precisam que a situação se repita mil v... Ver mais
0
Quem ama traz o coração fora do peito.
0
Desigual
O nosso amor tão desigual desde o começo
Me fez sofrer, me fez virar pelo avesso
Você em guarda, atenta a tudo queu dizia
A separar o joio, a jóia, a fantasia
O nosso amor me fez chora... Ver mais
0
A rosa púrpura do envolvimento
O Brasil tem o dom do ridículo, somos muitas vezes ridículos e achamos que estamos, como se dizia, abafando! Somos ridículos, por exemplo, ao copiar os piores hábitos e cost... Ver mais
0
Amar se aprende amado — se é que se aprende.
0
A verdade do coração

Algumas vezes
a verdade do meu coração
emerge com força arrebatadora
à flor do sangue
que borbulha em minhas veias

Um sentimento comovido
percorre meu corpo... Ver mais
0
Da personagem à persona
Manoel Carlos, teledramaturgo, em entrevista ao jornalista Roberto DÁvilla, ao abordar o falecimento do ator Jardel Filho durante uma telenovela de sua autoria, Sol de verão, de 1986... Ver mais
0
A renúncia é parte inseparável do amor.
0
Corpo místico (ou Bicho carpinteiro)
Tantos de mim partiram-se
Estilhaços no chão da casa
Pedaços insones na noite
Um violão calado
Palco vazio às escuras
Filmes velados
Restos de mim ... Ver mais
0
Para uma fenomenologia da palavra (I)
Será preciso continuar acreditando no poder da palavra para ser um escritor. Eu, porém, não sou um escritor - ora bolas! - no sentido de que não sustento, financeirame... Ver mais
0
No mundo do afeto ninguém é substituível.
0
Labirinto

teus sinais
todos tão confusos
todos tão oblíquos
todos tão iguais
todos tão contidos
todos tão perdidos
todos tão se... Ver mais

0
O mito
Comprometer-se com a investigação do sentido humano é algo doloroso, que descarna os sonhos de suas ilusões rudimentares, muita vez sem oferecer qualquer contrapartida senão a condição de ter cum... Ver mais
0
Como assinar embaixo de trabalhos feitos em cima da perna?
0
A alegria que nos escapa
também já tive medo do que sinto por você
mas, sinto - é o que sinto - e não devo, pois, temer
talvez, eu não sentisse se não visse mais você
qual a solução: convive... Ver mais
0
© CIA DO AR. AÇÕES EM CULTURA 2017  |   DESENVOLVIDO POR CRIWEB  |   PROGRAMADOR LED LEMOS  |   POLÍTICA DE PRIVACIDADE