Não existe como começar a amar senão por si.
0
À mulher do suicida do prédio

(para Anna)


Tua dor me atravessa, ao longe
Com a fúria bruta das desgraças
Falta-me a coragem que as palavras comem
Para ... Ver mais

0
O invasor
Pegamos para assistir, minha mulher e eu, o filme do Beto Brant com as melhores recomendações da Márcia, a nossa videolocadora. O videolocador é um mutante contemporâneo do quase extinto livreir... Ver mais
0
A loucura é a ausência do outro. A ausência de interesse pelo outro.
0
A primeira noite de um morto

A primeira noite de um morto
é a mais triste e estranha
O mundo não faz mais sentido
Tudo que conheceu
está irremediavelmente perdidoVer mais

0
Inconsciência (I parte)
Quando falamos em curso do destino, creio, estamos falando em inconsciência. Inconsciência das motivações atávicas, de foro instintual, mas também histórico, vez que o gesto hum... Ver mais
0
O homem é essencialmente o mesmo, embora viva das suas diferenças.
0
A rã poética

quando vou de cambulhada ao solo
a cara pronta a lamber o chão
no colo da noite atrás de colo
quando foge a força ao coração

derrotado,... Ver mais

0
A César o que é de César
Instalada em um subúrbio a leste de Bagdá, numa espécie de Ciep iraquiano, sem o charme da grife Oscar Niemeyer, sob o comando, porém, do charmoso Sérgio Vieira de Mello, a mis... Ver mais
0
Quando como carne me sinto um canalha que saboreia o futuro da Terra...
0
A serpente do ciúme

se queres minha amizade e convívio
aprendes, então, de uma vez por todas
meu ciúme - fúria louca, delírio
não compensa mesmo a p... Ver mais

0
O inimigo de si mesmo
O fato de que existimos é bastante mais frágil do que desejaríamos do ponto de vista de nossa própria existência. Basta uma noite nos tempos para que nossas vidas esfumem, tragadas p... Ver mais
0
A diferença básica entre profissional e amador é o timing. E o time!
0
À sombra do poeta

(para Solano)

quisera ser de longe a sombra do poeta
para louvar a ti, meu jovem, lindo amigo;
no tesouro das palavras, outrora a Meca
onde, então, prostrava-... Ver mais

0
Inconsciência (II parte)
Portanto, creio, o amor confunde-se com a verdade, quando não é ele mesmo o impulso construtor - ou, se preferimos, desvelador - da verdade.

Refiro-me, por óbvio, à verdad... Ver mais
0
Ninguém ama mais a música do que o afinador de piano.
0
Alto amor


Com meu coração eu turro por não saber amar
Do modo mais sabido e absurdo
Que é o amor como você me dá
Brigo comigo, comigo eu brigoVer mais

0
A merda e a água
Aqui, no infinitamente pequeno, onde habito e entrevo os dias à espera do ocaso de meus olhos, há coisas curiosas de se anotar, a ignorância, por exemplo, todos os oceanos para uma gota d... Ver mais
0
Ouvir todas as vozes é não ouvir nenhuma, escutar-se por demasiado é enlouquecer, por vezes esquecer-se é necessário e bom ao viver.
0
O galope da gazela
arisca, a gazela cisca
o terreno escoiceia
dança um balé de pinotes
sobre a savana e a areia
foge por entre horizontes
busca a paz das estepes
retorna, exangüe, quedada<... Ver mais
0
Uma lágrima por Gabriela
Guardo a ilusão - provavelmente por conta da atividade intelectual, será? - da utilidade do pensamento como instrumento de reflexão social, mesmo em um tempo circuitado como este e... Ver mais
0
Ronaldinho Gaúcho é o Garrincha que deu certo com boate.
0
Se Deus não existisse

Se Deus não existisse
Eu o inventava em mim
Para ter um teto - de pé direito alto
E infinito amplo
Onde buscar o amor que me escapa
Beber a lei ... Ver mais

0
Espaço público de cultura
Penso que a primeira coisa a caracterizar um espaço público de cultura deva ser sua acessibilidade. Em dois sentidos: quanto à sua localização geográfica e quanto às suas tax... Ver mais
0
Pertenço a uma geração que perdeu nos pênaltis.
0
© CIA DO AR. AÇÕES EM CULTURA 2017  |   DESENVOLVIDO POR CRIWEB  |   PROGRAMADOR LED LEMOS  |   POLÍTICA DE PRIVACIDADE